O Paraná assumiu o terceiro lugar no ranking nacional de geração de  empregos, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quarta-feira (20) pelo Ministério do Trabalho. Entre janeiro e maio deste ano, foram criadas 38.699 vagas no Estado, o que coloca o Paraná atrás somente de São Paulo e Minas Gerais.

O desempenho do mês de maio fez o Estado subir de quinto para terceiro lugar. Em comparação com o mesmo período de 2017, o Paraná apresentou um aumento de 38%. Este foi o melhor resultado dos últimos quatro anos.

No mês de maio o Paraná foi o nono estado brasileiro e o primeiro da Região Sul que mais criou vagas de emprego. O saldo no mês passado foi de 1.798 postos com carteira assinada no Estado, um saldo positivo em comparação aos vizinhos Santa Catarina (-4484) e Rio Grande do sul (-10727) que tiveram saldos negativos e ocupam os 26° e 27° lugares, respectivamente.

“Os dados demonstram que o Paraná continua com uma geração de empregos positiva. Apesar da queda específica do mês de maio, estamos acima da média nacional e em crescimento contínuo. Isso demonstra a política de investimentos por parte do governo do Paraná na geração de empregos”, disse o secretário especial do Trabalho e Relações com a Comunidade, Paulo Rossi. Segundo ele, a Indústria da Transformação teve uma retração, mas por outro lado o setor de serviços continua em expansão. “A expectativa é crescer ainda mais em 2018”, afirmou.

O setor que mais contratou em maio foi o de Serviços, com 3.010 postos de trabalho. Na sequência estão os setores de Construção Civil, Agropecuária e Extrativa Mineral. Dentre as atividades, pode-se destacar a construção de edifícios que apresenta uma recuperação. Somente em maio essa atividade registrou saldo de (502) novas contratações.

Os setores que mantêm o destaque no Estado, no acumulado do ano, são os de Serviços e o da Indústria de Transformação. Somente estes dois setores são responsáveis por quase 90% da geração de empregos no Paraná.

A atividade que mais contratou no Paraná foi a Indústria Sucroalcooleira – que admitiu 4.280 pessoas e teve um saldo positivo de 1.877.

Com informações da AEN.